Waters of Life

Biblical Studies in Multiple Languages

Search in "Portuguese":
Home -- Portuguese -- Acts - 106 (The Jews attack Paul)
This page in: -- Arabic -- Armenian -- Azeri -- Bulgarian -- Cebuano -- Chinese -- English -- French -- Georgian -- Indonesian -- PORTUGUESE -- Russian -- Serbian -- Tamil -- Telugu -- Turkish -- Urdu? -- Uzbek -- Yiddish

Previous Lesson -- Next Lesson

ATOS - Na procissão triunfal de Cristo
Estudos nos Atos dos Apóstolos
PARTE 2 - Registros sobre a pregação entro os Gentios e a fundação das igrejas de Antioquia a Roma – Através do ministério do Apóstolo Paulo, comissionado pelo Espírito Santo (Atos 13 - 28)
E - Paulo preso em Jerusalém e na Cesaréia (Atos 21:15 - 26:32)

3. Os Judeus atacam Paulo, os soldado Romanos o salvam (Atos 21:27-40)


ATOS 21:27-40
27 E quando os sete dias estavam quase a terminar, os judeus da Ásia, vendo-o no templo, alvoroçaram todo o povo e lançaram mão dele, 28 clamando: Homens israelitas, acudi; este é o homem que por todas as partes ensina a todos contra o povo e contra a lei, e contra este lugar; e, demais disto, introduziu também no templo os gregos, e profanou este santo lugar. 29 Porque tinham visto com ele na cidade a Trófimo de Éfeso, o qual pensavam que Paulo introduzira no templo. 30 E alvoroçou-se toda a cidade, e houve grande concurso de povo; e, pegando Paulo, o arrastaram para fora do templo, e logo as portas se fecharam. 31 E, procurando eles matá-lo, chegou ao tribuno da coorte o aviso de que Jerusalém estava toda em confusão; 32 o qual, tomando logo consigo soldados e centuriões, correu para eles. E, quando viram o tribuno e os soldados, cessaram de ferir a Paulo. 33 Então, aproximando-se o tribuno, o prendeu e o mandou atar com duas cadeias, e lhe perguntou quem era e o que tinha feito. 34 E na multidão uns clamavam de uma maneira, outros de outra; mas, como nada podia saber ao certo, por causa do alvoroço, mandou conduzi-lo para a fortaleza. 35 E sucedeu que, chegando às escadas, os soldados tiveram de lhe pegar por causa da violência da multidão. 36 Porque a multidão do povo o seguia, clamando: Mata-o! 37 E, quando iam a introduzir Paulo na fortaleza, disse Paulo ao tribuno: É-me permitido dizer-te alguma coisa? E ele disse: Sabes o grego? 38 Não és tu porventura aquele egípcio que antes destes dias fez uma sedição e levou ao deserto quatro mil salteadores? 39 Mas Paulo lhe disse: Na verdade que sou um homem judeu, cidadão de Tarso, cidade não pouco célebre na Cilícia; rogo-te, porém, que me permitas falar ao povo. 40 E, havendo-lho permitido, Paulo, pondo-se em pé nas escadas, fez sinal com a mão ao povo; e, feito grande silêncio, falou-lhes em língua hebraica, dizendo:

Você vê a humildade e o amor de Paulo? Ele veio a Jerusalém como um general de um grande exército, que havia vencido muitas batalhas, e trouxe com ele a contribuição financeira considerável. Os irmãos, que não havia deixado a terra natal, pediu-lhe para esquecer todas as suas lutas e do renascimento da igreja que ele havia trabalhado duro para no mundo, e se tornar um servo para quatro pessoas com cabelos longos e financeiramente carentes. Paulo negou a si mesmo, esquecendo seus triunfos, e submeteu-se ao jugo e da escravidão da lei. Ele pagou, em nome dos quatro pobres que tinha tomado um voto de nazireu, o preço de suas ofertas, e completou o dever do amor. Ele não quer se tornar um obstáculo para seus irmãos judeus, mas optou por continuar a ser um servo de os pobres de espírito. Como tal, ele cumpriu o mandamento do amor, que ele há muito tempo pediu as igrejas a cumprir, que pode não haver uma unidade dividida entre os irmãos.

Quando os dias de purificação haviam terminado, alguns dos judeus, que tinham voltado para Jerusalém, a província da Ásia e da cidade de Éfeso, Paulo viu e Trófimo, o gentio convertido, caminhando juntos no mercado de Jerusalém. Também o vi mais tarde, sozinho no pátio do templo. Pensando que Paulo tinha tomado o gentio ao templo, eles ficaram irritados e começaram a gritar bem alto: "Socorro! Ajuda! Este homem destrói nosso religião, e ensina gentios impuros para entrar para a comunhão de Deus sem circuncisão, sem peregrinação ao templo, e sem observar a lei. Ele é contrário a Deus. Separar este enganador de fora do seu meio imediato, e destruí-lo de uma vez. "

Espalhados por toda a confusão toda a multidão. Aquele que profana o templo e contamina o lugar santo traz a ira de Deus sobre a cidade, e se torna o primeiro inimigo da nação. A profanação do lugar santo se mudou da cidade fora de sua fundação. As pessoas começaram a se reunir nas ruas e nas casas. Agarraram Paulo e arrastaram-no furiosamente para fora do templo. De acordo com o costume religioso, não derramou seu sangue dentro do lugar santo. Quando os baderneiros chegaram fora do templo os guardas fechou suas portas, a fim de preservar sua santidade e tranquilidade.

Agora, fora do templo, a multidão começou a bater violentamente Paulo. Eles atacaram e chutou com suas mãos e pés, tentando matá-lo. É provável que Paulo começou a pensar de Estevão, que tinha sido executado um quarto de século antes, quando este primeiro mártir cristão deu seu último suspiro sob uma chuva de pedras. Naquela época, Paulo era jovem, e tinha sido plenamente de acordo com a ação violenta. Agora ele estava encontrando o mesmo tormento, e as palavras de Cristo, mais uma vez se tornou real sobre Jerusalém e sua injustiça: "Ó Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas e apedrejas os que te são enviados para ela"

Infelizmente não, um dos dez milhares de pessoas e multidões de crentes de origem judaica, dos quais James Paulo tinha dito, aparecem para ajudá-lo em sua necessidade. Provavelmente, alguns deles estavam contentes de ver a vida deste homem briguento completou. Mas Jesus tinha um outro plano com seu servo, cuja hora ainda não havia chegado. Deus não enviou um anjo, no esplendor da sua glória, para ajudar, mas usou um comandante romano, que tinha 1.000 soldados sob seu comando. Este comandante precipitou-se com alguns dos seus oficiais e soldados para o local do tumulto. A cidade inteira estava em confusão sobre este evento perturbador. Seu primeiro pensamento foi para suprimir e esmagar a rebelião. Quando o zelo, os judeus ímpios viram o comandante com seus soldados, que ficou com medo e parou de bater Paulo, que deu o comandante a oportunidade de prendê-lo. Ele ordenou que ele fosse ligado como um criminoso, a fim de salvá-lo da multidão violenta. O comandante pediu a alguns no meio da multidão sobre o motivo do alvoroço, mas por causa do barulho e gritando não foi capaz de descobrir o que tinha acontecido. Quando ele ordenou a seus homens para levar o prisioneiro para dentro da fortaleza dos judeus irritado gritou com raiva, pois ele foi resgatá-lo das mãos deles. Quando Paulo chegou à escada que leva até o castelo, os soldados foram forçados a levantá-lo em seus braços e levá-lo, para mantê-lo de ser morto pela máfia. Ele pode ter sido incapaz de se levantar por conta própria sobre os passos, por causa de seus ferimentos. A multidão gritava, assim como havia gritado contra Cristo: Leve-o! Matá-lo! Matá-lo imediatamente! "

Na porta da torre de Antonia, que dava para o templo, Paulo, com uma grande dose de humildade e deferência, perguntou o comandante, em grego eloqüente, para ouvi-lo. Ele primeiro esclareceu que ele não era o falso profeta do Egito, que havia enganado quatro mil homens e levaram todo o Monte das Oliveiras para o deserto para atender a vinda de Cristo, a fim de que ele poderia usar esse exército para libertar o país de Roma. Ele não era nada do tipo, mas um homem educado, e não um rebelde. Ele veio de uma cidade romana respeitada. Em sua resposta, ele provou sua equanimidade, mesmo que ele estava à beira da morte, com seu sangramento feridas.

O comandante cumprido o seu pedido e deu-lhe permissão para falar. Através de seu discurso para a multidão que estava esperando para ser capaz de discernir a razão da inimizade entre ele e a multidão furiosa. Paulo levantou-se, talvez apoiado, à frente das escadas, como se ele estivesse em um púlpito. Ele fez sinal com a mão para a multidão em massa de pessoas, e em seguida começou a falar aos seus compatriotas. Ele nunca teria encontrado uma ocasião tão favorável para lidar com multidões de judeus se não tivesse sido acusado de profanar o templo. Jesus usou o sofrimento de seu servo para pregar um sermão pedindo um arrependimento grande entre o povo judeu. Houve um silêncio pesado entre os ouvintes descontentes, que estavam atentos para ouvir o que esse farsante tinha a dizer. Eles ouviram atentamente, e entendeu cada palavra que sai da boca de Paulo.

ORAÇÃO: Senhor Jesus Cristo, Você sofreu por nós e Seu apóstolos sentiram dor, sofrimento e vergonha por causa do Seu nome. Nos ensine como viver na Sua presença, e concede-nos a capacidade de sermos fiéis ao seu nome. Que seja feita a Tua vontade em nossas vidas para que muitos possam ouvir Seu Evangelho.

PERGUNTA:

  1. Por que os judeus querem matar Paulo?

www.Waters-of-Life.net

Page last modified on September 27, 2012, at 12:10 PM | powered by PmWiki (pmwiki-2.2.109)