Waters of Life

Biblical Studies in Multiple Languages

Search in "Portuguese":
Home -- Portuguese -- John - 109 (The choice between Jesus and Barabbas)
This page in: -- Arabic -- Armenian -- Bengali -- Burmese -- Cebuano -- Chinese -- English -- Farsi? -- French -- Georgian -- Hausa -- Hindi -- Igbo -- Indonesian -- Javanese -- Kiswahili -- Kyrgyz -- Malayalam -- Peul -- PORTUGUESE -- Russian -- Serbian -- Somali -- Spanish? -- Tamil -- Telugu -- Thai -- Turkish -- Urdu -- Uyghur? -- Uzbek -- Vietnamese -- Yiddish -- Yoruba

Previous Lesson -- Next Lesson

JOÃO – A Luz Resplandece nas Trevas
Um Curso de Estudos Bíblicos no Evangelho de Cristo segundo João

PARTE 4 - A luz vence as Trevas (João 18:1 – 21:25)
A – Eventos da prisão ao funeral (João 18:1 – 19:42)
3. O julgamento civil diante do governador Romano (João 18:28 – 19:16)

b) A escolha entre Jesus e Barrabás (João 18:39-40)


JOÃO 18:39-40
39 Mas vós tendes por costume que eu vos solte alguém pela páscoa. Quereis, pois, que vos solte o Rei dos Judeus? 40 Então todos tornaram a clamar, dizendo: Este não, mas Barrabás. E Barrabás era um salteador.

Pilatos sentiu-se convencido de que Jesus era íntegro e não representava nenhum perigo. Ele saiu aos Judeus que estavam esperando no tribunal, e publicamente, testemunhou a inocência do acusado. Todos os quatro evangelhos confirmam que Jesus não tinha pecado de acordo com a lei religiosa, bem como os estatutos civis. Como governador ele não poderia apontar qualquer culpa em Jesus. Assim, o agente da autoridade civil admitiu a inocência de Jesus.

Pilatos queria livrar-se desta pessoa estranha, mas esteve também ansioso por agradar aos Judeus. Ele sugeriu a liberação de prisioneiros na base de um costume que permitia que um dos presidiários fosse perdoado no dia da festa. Ele tentou aplacar o sumo sacerdote, chamando Jesus de o rei dos Judeus. Se Pilatos fosse liberto, Jesus iria perder seu apelo popular (assim argumentaram Pilatos), pois ele não conseguia libertar seu povo do jugo de Roma.

No entanto, os sacerdotes e as pessoas enlouqueceram ao título de "Rei dos Judeus". Eles esperavam um herói militar, um homem dominante e severo. Então eles escolheram Barrabás, o criminoso, preferindo um homem do pecado para Deus Santo.

Não foi apenas o Concílio foi antagônico a Jesus, mas também foi o povo que o desprezava. Vocês, então, está ao lado da verdade, manso e desarmado, ou você gosta do legalismo que se baseia em violência e engano, deixando de lado tanto a misericórdia quanto a verdade?


c) A flagelação de Jesus diante de seus acusadores (João 19:1-5)


JOÃO 19:1-3
1 Pilatos, pois, tomou então a Jesus, e o açoitou. 2 E os soldados, tecendo uma coroa de espinhos, lha puseram sobre a cabeça, e lhe vestiram roupa de púrpura. 3 E diziam: Salve, Rei dos Judeus. E davam-lhe bofetadas.

Coube a Pilatos libertar Jesus e prender seus acusadores. Isso não faria, e ele torceu os fatos e procurou por um compromisso, por isso mandou Jesus para ser chicoteado. Essa pena foi terrível e desgastante. Os chicotes tinham pedaços de osso e chumbo que cortam a pele. Quando os soldados maltrataram Jesus, eles praticamente amarraram a um pilar com as costas nuas e choveu golpes em seu corpo. Sua pele e carne foram arrancados, que levou a dor inexprimível. Muitos morreram torturados, assim, no processo. Nosso Senhor inocente sofreu muito no corpo e na alma.

Então, os soldados, para manter a farsa, levou o corpo dilacerado de Jesus. Estes soldados viviam com medo de terroristas judeus, não se atrevendo a marchar à noite. Isso, então, era a sua chance de se vingar por torturar alguém chamou o rei dos judeus. Sobre ele se derramou toda a malícia que sentiam por este povo inquieto. Um deles correu e pegou um galho de um arbusto do espinho, tornando-a uma coroa para colocar no rosto de Cristo. A pressão da coroa de espinhos feito o sangue jorra. Outros vieram com roupas usadas, que pertencia ao oficial e envolveu-o em torno dele. O sangue, misturado com o corante roxo até Jesus parecia estar coberto de sangue. Somado a isso, ele foi brutalmente chutado e esmurrado. Alguns se curvaram diante dele, como se preparando para a coroação. A probabilidade de que essas tropas imperiais representadas várias nações Européias significa que muitas das tribos do mundo compartilhada neste escárnio e blasfêmia dirigida ao Cordeiro de Deus.

JOÃO 19:4-5
4 Então Pilatos saiu outra vez fora, e disse-lhes: Eis aqui vo-lo trago fora, para que saibais que não acho nele crime algum. 5 Saiu, pois, Jesus fora, levando a coroa de espinhos e roupa de púrpura. E disse-lhes Pilatos: Eis aqui o homem.

Pilatos olhou para cima do arquivo de Jesus e descobri que ele era inocente. Pela terceira vez, ele saiu para os líderes judeus e testemunhou mais uma vez, "Não acho culpa nele." Eventualmente, ele tentou reuni-los frente a frente para descobrir o engano e mostrar a verdade.

Ele trouxe Jesus para fora com todos os sinais de golpes e lágrimas sobre ele e sangue escorrendo profusamente e com a coroa de espinhos em sua testa. Sobre seus ombros estava o manto de púrpura, encharcado de sangue.

Pode conceber a imagem do Cordeiro de Deus que ostentam o pecado do mundo? Sua humilhação foi a elevação, por seu incomparável amor aparece em sua paciência. Ele ficou diante daqueles que representavam o Oriente e o Ocidente, zombando dele, maus-tratos e coroado de espinhos. Todas as copas do mundo com as suas jóias brilhantes são de nenhum valor, em comparação com sua coroa de espinhos com o sangue que expia todos os pecados.

Embora Pilatos era o mais áspero dos homens, antes disso, ele foi movido por essa imagem. Não havia nenhum traço de ódio no rosto de Jesus, ou uma maldição sobre os lábios. Ele orou em silêncio a seu Pai, abençoou os seus adversários e levou os pecados daqueles que injuriaram. O governador proferiu as palavras impressionantes: "Eis o Homem!" Ele sentiu a majestade e a dignidade de um homem. Como se ele quis dizer de Cristo, "Este é o único homem que carrega a imagem de Deus". Sua misericórdia irradiada, mesmo na hora do perigo mortal; sua santidade brilhou na fraqueza do seu corpo desfigurado. Ele não sofreu por seus próprios erros, mas para o meu e pelo teu pecado e a culpa de toda a humanidade.


d) Pilatos impressionado com a natureza divina de Cristo (João 19:6-12)


JOÃO 19:6-7
6 Vendo-o, pois, os principais dos sacerdotes e os servos, clamaram, dizendo: Crucifica-o, crucifica-o. Disse-lhes Pilatos: Tomai-o vós, e crucificai-o; porque eu nenhum crime acho nele. 7 Responderam-lhe os judeus: Nós temos uma lei e, segundo a nossa lei, deve morrer, porque se fez Filho de Deus.

Longas foram as horas de tortura, e muitos da multidão desciam na porta do governador. A liderança Judaica não estava disposta a suavizar a sua atitude ou ceder, mas concordou com a demanda a morte de Jesus de uma vez com gritos e tumulto poderoso. Aqueles que tendem a ser indulgente foram intimidados em desânimo e do princípio de que Deus os havia abandonado Jesus. Ele não fornecê-los com um milagre de resgate, assim que as demandas para a execução ficaram mais alto, e Pilatos era esperado para passar a frase mais dura de todas. Assim, eles renunciaram a ele e entregou-o para as profundezas da vergonha.

Na época, Pilatos foi especialmente cauteloso em qualquer sinal de descontentamento, mas sem vontade de matar alguém de forma ilegal, então ele disse aos judeus: "Tomai e crucificá-lo, mesmo que eu estou convencido de sua inocência" - a terceira ocasião de sua admissão que Jesus era inocente. Com isso, Pilatos tornou-se culpado em não ter o direito de agredir um preso inocente.

Os Judeus estavam cientes de que o Direito Romano não lhes dava direito de executar ninguém. Jesus tinha "blasfemado" e assim merecia ser apedrejado. Mas os Judeus não poderiam fazer isso. Os anciãos judeus sabiam que, se afirma filiação divina de Cristo estava certo, que deveriam ter curvado a ele. A crucificação seria "provar" que ele não era divino, com todas as torturas que ele sofreu. Eles seriam, assim, justificada pela sua morte, e não pelo sangue expiatório, mas por crucificação que mera reuniu-se com a aprovação de Deus.

ORAÇÃO: Senhor Jesus, agradecemos por suas dores e torturas, que suportou por nós. Nós te louvamos pela sua paciência, amor e majestade. Você é nosso rei. Ajude-nos a obedecê-lo, ensina-nos a abençoar nossos inimigos e mostrar misericórdia para com o ódio. Nós te louvamos porque o seu sangue purifica a nossa culpa. Oh, Filho de Deus, nós somos seus. Firma-nos em sua santidade para que andemos em misericórdia, agradecidos por seu sofrimento.

PERGUNTA:

  1. O que podemos aprender da figura de Jesus espancado, vestido de púrpura e com uma coroa de espinhos?

www.Waters-of-Life.net

Page last modified on April 10, 2012, at 12:02 PM | powered by PmWiki (pmwiki-2.2.109)