Waters of Life

Biblical Studies in Multiple Languages

Search in "Portuguese":
Home -- Portuguese -- John - 108 (The charge against Christ's royal claims)
This page in: -- Arabic -- Armenian -- Bengali -- Burmese -- Cebuano -- Chinese -- English -- Farsi? -- French -- Georgian -- Hausa -- Hindi -- Igbo -- Indonesian -- Javanese -- Kiswahili -- Kyrgyz -- Malayalam -- Peul -- PORTUGUESE -- Russian -- Serbian -- Somali -- Spanish? -- Tamil -- Telugu -- Thai -- Turkish -- Urdu -- Uyghur? -- Uzbek -- Vietnamese -- Yiddish -- Yoruba

Previous Lesson -- Next Lesson

JOÃO – A Luz Resplandece nas Trevas
Um Curso de Estudos Bíblicos no Evangelho de Cristo segundo João

PARTE 4 - A luz vence as Trevas (João 18:1 – 21:25)
A – Eventos da prisão ao funeral (João 18:1 – 19:42)
3. O julgamento civil diante do governador Romano (João 18:28 – 19:16)

a) A acusação contra as alegações de Cristo ser rei (João 18:28-38)


JOÃO 18:28-32
28 Depois levaram Jesus da casa de Caifás para a audiência. E era pela manhã cedo. E não entraram na audiência, para não se contaminarem, mas poderem comer a páscoa. 29 Então Pilatos saiu fora e disse-lhes: Que acusação trazeis contra este homem? 30 Responderam, e disseram-lhe: Se este não fosse malfeitor, não to entregaríamos. 31 Disse-lhes, pois, Pilatos: Levai-o vós, e julgai-o segundo a vossa lei. Disseram-lhe então os judeus: A nós não nos é lícito matar pessoa alguma. 32 (Para que se cumprisse a palavra que Jesus tinha dito, significando de que morte havia de morrer).

Alguns Judeus pensavam em matar Jesus logo quando ele curou o paralítico de Betesda (5:18), enquanto a maioria dos líderes Judeus secretamente decidiu que ele devia morrer após a ressurreição de Lázaro (11:46).

Na noite de quinta-feira, duas sessões importantes do Conselho foram organizadas, não mencionadas por João (Mateus 26:57-67 e 27:1). Estes detalhes dos Judeus eram de pouco interesse para os leitores Gregos, mas João salientou a sentença injusta contra Jesus, dada por um representante da justiça romana, Pilatos, no quartel militar com vista para o templo. Ele tinha o direito de condená-lo à morte ou absolvê-lo.

Os Judeus que haviam reconhecido o seu Senhor se afastaram por medo da contaminação, pois deveriam entrar numa residência de Gentil. Eles desejavam preservar sua santidade ritual para participar do cordeiro pascal com seus parentes. No entanto, eles mataram o verdadeiro Cordeiro de Deus. Durante este período crucial quando Jesus foi preso, mudanças radicais ocorreram na vida de Pilatos. Um de seus colegas, um general Romano, foi demitido por César pelo planejamento de uma rebelião. Esse general era anti-Judeu e a trama foi descoberta pelos Judeus. Como resultado, a autoridade de Pilatos foi enfraquecida.

Após os Judeus levarem Jesus a Pilatos, o governador foi até eles para saber sobre suas demandas. Ele não gastou muito tempo discutindo, mas compreendeu a essência das suas queixas. A atitude de Pilatos a Jesus foi expressa por um sorriso - um rei sem armas ou tropas, entrando em Jerusalém montado num jumento não oferecia perigo a Roma. Mas ele concordou com as exigências Judaicas, dando lugar à sua insistência. Ele já havia colocado um oficial à sua disposição com a sua empresa, para ajudar na prisão de Jesus. A operação funcionou: O prisioneiro estava ali à sua mercê. No entanto, Pilatos perguntou: "O que ele é culpado de fazer?".

Os anciãos dos Judeus, implicitamente, declararam: Você sabe o que dissemos sobre ele anteriormente. Este homem é um criminoso político com objetivos rebeldes. Não precisamos acrescentar mais nada. Não viemos para uma visita oficial que representa o povo Judeu. Viemos à procura de sua morte, para que o povo não pode ser agitado.

Pilatos conhecia os caprichos Judaicos, seus preconceitos e sabia que a acusação tinha a ver com a sua legislação e sua expectativa de um Messias poderoso. Jesus não havia dito e feito nada de criminoso contra os Romanos. Então, novamente, ele entregou-lhes Jesus pedindo-lhes para julgá-lo de acordo com a sua própria lei.

Naquela época, os Judeus não tinham direito de apedrejar aqueles que transgrediam a lei. Elas procuravam humilhar Jesus com um julgamento público nas mãos dos Romanos, que eram considerados impuros. Assim, as mais duras sanções infligidas a escravos e criminosos cairiam sobre ele - para ser suspenso até a "maldita árvore". Isto implicaria que Jesus não era o Filho de Deus, o Forte e Justo, mas ele era fraco e um blasfemo. Caifás queria que ele morresse na cruz às mãos dos Romanos para provar que ele não era o Messias, mas um usurpador e enganador.

JOÃO 18:33-36
33 Tornou, pois, a entrar Pilatos na audiência, e chamou a Jesus, e disse-lhe: Tu és o Rei dos Judeus? 34 Respondeu-lhe Jesus: Tu dizes isso de ti mesmo, ou disseram-to outros de mim? 35 Pilatos respondeu: Porventura sou eu judeu? A tua nação e os principais dos sacerdotes entregaram-te a mim. Que fizeste? 36 Respondeu Jesus: O meu reino não é deste mundo; se o meu reino fosse deste mundo, pelejariam os meus servos, para que eu não fosse entregue aos judeus; mas agora o meu reino não é daqui.

Os soldados colocaram Jesus dentro do quartel. Quando Pilatos ouviu as acusações dos judeus, ele também quis ouvir a defesa de Jesus diretamente de sua boca. Pilatos não confiava nas afirmações dos Judeus, mas a proceder legalmente, ele pediu a Cristo: "És tu o rei dos judeus? Eu vi o Messias e outros armados até os dentes, com barba negra e olhos brilhando. Você não é um lutador ou um terrorista. Você parece ser uma pessoa infeliz, mansa e humilde, como você pode aspirar a realeza? Um rei exige poder, autoridade e crueldade".

Jesus sentiu que Pilatos duvidara de sua afirmação de realeza e perguntou: "Será que as suas tropas lhe dizem que meus discípulos lutaram com eles de noite, ou que o seu informante me ouviu fazendo discursos políticos? Um governador não deve ouvir acusações falsas".

Pilatos respondeu com raiva: "Eu sou um Judeu?" Como se dissesse: "Eu não vou descer ao nível desses fanáticos teimosos, discutindo sobre os pontos de religião noite e dia".

Então Pilatos admitiu que não foi ele quem mandou prender Jesus, mas o povo Judeu, seus líderes e os nacionalistas. Então ele perguntou brevemente, "O que você fez Eu preciso de uma resposta sua para confrontar aqueles que acusam você fala, ou você será batido? Diga toda a verdade" Com isso, Jesus confessou toda a verdade de uma maneira que raramente fazia com seus discípulos. Ele disse, "o Reino de Deus não é só dele, construído em homenagem ou armas ou postos de trabalho para explorar os outros”. O reino de Cristo não passará como os outros. Jesus ensinou seus seguidores a não atacar com espadas, ou balas de fogo ou jogar bombas. Seu Reino difere totalmente de todos os reinos da terra.

JOÃO 18:37-38
37 Disse-lhe, pois, Pilatos: Logo tu és rei? Jesus respondeu: Tu dizes que eu sou rei. Eu para isso nasci, e para isso vim ao mundo, a fim de dar testemunho da verdade. Todo aquele que é da verdade ouve a minha voz. 38 Disse-lhe Pilatos: Que é a verdade? E, dizendo isto, tornou a ir ter com os judeus, e disse-lhes: Não acho nele crime algum.

Pilatos não compreendeu o sentido da afirmação de Jesus, mas ele percebeu que o acusado confessou que era o rei, sem esclarecer a importação desse reinado. Jesus respondeu com: "Você tem percebido o meu segredo e compreendeu as minhas palavras Um rei é o dono e senhor de seu reino; meu reino não é deste mundo que é cheio de mentiras e enganos, porque eu sou o rei da verdade."

Então Jesus declarou que o nascimento de Maria, a Virgem não foi o início de sua existência, mas que ele veio ao nosso mundo do além. Ele foi gerado do Pai antes dos séculos. Ele conhece as verdades divinas. Testemunhas de Jesus a Verdade de Deus, como o gerado eternamente, ele é a testemunha fiel. Mas Pilatos riu e perguntou: "Qual é a verdade?" O governador tinha visto tanta hipocrisia e traição que ele perdeu sua fé na verdade. Jesus, porém, a testemunha fiel às verdades celestes se manteve firme e revela-nos o seu nome de pai.

ORAÇÃO: Senhor Jesus, tu és meu rei, eu pertenço a você. Faça-me um escravo de sua delicadeza, segure-me firme na sua verdade.

PERGUNTA:

  1. Como e em que sentido Jesus é um Rei?

www.Waters-of-Life.net

Page last modified on April 10, 2012, at 11:56 AM | powered by PmWiki (pmwiki-2.2.109)