Waters of Life

Biblical Studies in Multiple Languages

Search in "Portuguese":
Home -- Portuguese -- Acts - 063 (Separation of Barnabas and Saul)
This page in: -- Arabic -- Armenian -- Azeri -- Bulgarian -- Cebuano -- Chinese -- English -- French -- Indonesian -- PORTUGUESE -- Russian -- Serbian -- Tamil -- Turkish -- Urdu? -- Uzbek -- Yiddish

Previous Lesson -- Next Lesson

ATOS - Na procissão triunfal de Cristo
Estudos nos Atos dos Apóstolos
PARTE 2 - Registros sobre a pregação entro os Gentios e a fundação das igrejas de Antioquia a Roma – Através do ministério do Apóstolo Paulo, comissionado pelo Espírito Santo (Atos 13 - 28)
A - A Primeira Viagem Missionária (Atos 13:1 - 14:28)

1. A separação de Barnabé e Paulo para a obra (Atos 13:1-3)


ATOS 13:1-3
1 E na igreja que estava em Antioquia havia alguns profetas e doutores, a saber: Barnabé e Simeão chamado Níger, e Lúcio, cireneu, e Manaém, que fora criado com Herodes o tetrarca, e Saulo. 2 E, servindo eles ao Senhor, e jejuando, disse o Espírito Santo: Apartai-me a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho chamado. 3 Então, jejuando e orando, e pondo sobre eles as mãos, os despediram.

Antioquia era, naquela época, a maior capital do Oriente. Era chamada de A "Roma do Oriente". Neste centro do comércio e das comunicações mundiais a Igreja Primitiva foi formada. Foi bem estabelecida em vitalidade e maturidade. A maioria de seus membros eram analfabetos que haviam crido em Cristo, não através do trabalho dos apóstolos, mas através do testemunho dos crentes simples.

A igreja mãe em Jerusalém enviou Barnabé, como um amigo paternal e visitante, para fortalecer os novos crentes. Este delegado tomou Saulo, um teólogo muito ativo, como seu associado. Juntos, eles ministraram um ano inteiro na igreja de Antioquia. Esta igreja cresceu em número e em poder e se tornou o segundo centro do Cristianismo, ao lado de Jerusalém. Tornou-se o ponto de partida para a pregação aos gentios.

Os dons do Espírito apareceram ricamente nesta igreja através da profecia e ensino. Os profetas no Novo Testamento não estavam separados do povo, mas viveram dentro da igreja como todos os outros crentes. Eles perceberam a vontade de Deus, no entanto, antes dos outros. Eles entenderam certos mistérios em suas consciências, previram o desenvolvimento do futuro e foram rápidos a obedecer a orientação do Espírito Santo. É por isso que Paulo, depois disso, advertiu os crentes em suas epístolas e encorajou-os a não desprezar o dom de profecia. Era necessário para a formação de igrejas, assim como o fermento é necessário para a massa.

Estes professores penetraram profundamente na plenitude da palavra de Deus. Eles ensinaram os membros da igreja, de forma ordenada e contínua, os significados da Lei, as palavras de Jesus e a doutrina dos apóstolos. Os professores direcionaram seu ensino, principalmente em direção à vontade e à memória dos seus ouvintes, enquanto os profetas visavam acima de tudo o coração do ouvinte, mente e sentimentos. Deus quer que você tenha um corpo completo, alma e espírito para louvar, pregar e possuir uma fé sóbria.

Todos os diferentes dons na igreja foram estabelecidos sob a bandeira do amor, que é o vínculo da perfeição. Não havia nenhum bispo ou líder-chefe entre os membros. Eles discutiram os seus assuntos dentro do círculo de irmãos e anciãos, de comum acordo. Barnabé, o Cipriota, não supervisionava a igreja, embora ele fosse enviado para inspecioná-lo. Ele se humilhou, juntou-se firmemente com os irmãos e os guiou para a cooperação e parceria fraterna. Os irmãos Cireneu e Cipriota foram, muito provavelmente, os fundadores da igreja de Antioquia (11:20). Entre eles estava Manaém, o irmão adotivo de Herodes que havia decapitado João Batista. Ambas as crianças tomaram do mesmo leite, mas receberam espíritos diferentes. O rei tornou-se um adúltero que temia os espíritos dos mortos, enquanto Manaém se humilhou, tornando-se um exemplo para os fiéis na plenitude do Espírito Santo.

Lemos o nome de Saulo, no final da lista de ministros e principais membros da igreja de Antioquia, pois ele era o mais novo e o último a se juntar a eles. Ele se tornou um estudante em Antioquia, mais uma vez, apesar de seu conhecimento especial da jurisprudência dos judeus, o Antigo Testamento. Ele também experimentou o amor praticado nesta comunhão dos Cristãos.

Estes irmãos na fé serviram ao Senhor juntos, assim como os sacerdotes sob a Antiga Aliança adoraram a Deus juntos nas ofertas de sacrifício. Todos eles desejaram chamar a Sua bênção sobre sua nação. Daí os cinco membros principais de Antioquia pediram ao Senhor Jesus Cristo para realizar o fruto do Seu sacrifício na cruz em sua igreja e nas pessoas ao seu redor. Os santos jejuaram, mas não se justificaram. Eles já haviam sido santificados uma vez por todas, pelo sangue de Cristo. O jejum foi a serviço da oração. Eles esqueceram de comida e bebida, pois suas orações para a salvação dos gentios foram mais importantes para eles do que todas as iguarias. Suas orações refletem seu desejo de ver a salvação de Cristo proclamada em seus arredores.

O Senhor respondeu-lhes, falando abertamente pelo Seu Espírito através da boca dos profetas da igreja. Ao receber esta revelação nenhum deles foi derrubado ou rolou para o chão. Todos eles ouviram a vontade e o desígnio de Deus. O Espírito Santo falou aos fiéis nesta revelação no primeiro pronome pessoal singular, "Eu", como uma pessoa separada. Ele estava comandando, orientando, amando e confortando-os imediatamente. Ele se move rapidamente, quando e onde quiser, de acordo com seu prazer. Este bendito Espírito é, ao mesmo tempo, uma das pessoas na unidade da Santíssima Trindade: Deus de Deus, Luz da Luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro, em uma essência com o Pai, cheio de amor, santidade e glória. Este Espírito puro é o próprio Deus, como Cristo disse: “Deus é Espírito”.

O Espírito Santo de Deus ordenou aos responsáveis ​​da igreja para separar para Ele Barnabé e Saulo para fazer um trabalho que não era antes conhecido. O Espírito Santo, pessoalmente, chamou-os, apoiou-os com o Seu poder, os enviou para pregar, trabalhou neles e os manteve.

Esta chamada e envio dos escolhidos significava uma seleção. O Espírito Santo não informou de antemão sobre o tipo de obra que Ele queria realizar através de Barnabé e Saulo. Para os responsáveis ​​da igreja Ele ressaltou que a Santíssima Trindade pretendia um novo trabalho, um trabalho que nenhum deles poderia imaginar. Confessamos com submissão, Ó santo de Deus, que o teu caminho é santo, e teus santos andam de glória em glória, de tribulação a tribulação, e de fruto a fruto. Você é o começo e o fim de nossas vidas. Seu trabalho é só sua, nenhum dos teus servos tem qualquer distinção ou vanglória de sua autoria.

Não foi de repente que o Espírito Santo optou por conectar dois homens para o serviço comum. Não, ele apresentou um ao outro um bom tempo antes de os separar para o serviço. Sua confiança mútua nos tinha sido reforçada através de suas experiências conjuntas. O Espírito Santo não enviou Barnabé separadamente, ou Saulo sozinho, mas se juntou a eles e um para o outro. Cristo já havia enviado seus discípulos dois a dois, que cada um possa confortar os outros, e que se pode orar quando o outro estava falando. A responsabilidade não foi realizada em um sentido de individualismo ou governo egoísta, onde se prevaleceu um sobre o outro. Ambos compartilharam mútua responsabilidade e cada um considera o outro melhor que si.

Alguns anos antes, Saulo havia ouvido de Ananias que o Senhor da Glória iria mandá-lo para reis e governantes e que ele iria testemunhar a eles sobre o nome de Jesus. Ele entendeu que ele iria se encontrar com grande sofrimento e perseguição, bem como a vitória e fruto espiritual excepcional. Saulo estava ciente de que ele, em si mesmo, não era capaz de prestar este serviço único. Por isso, ele esperou em silêncio durante alguns anos em Tarso até que Barnabé o chamou para ensinar e instruir na Igreja de Antioquia. Lá, o Espírito Santo lhe refinou, o moldou e afiou como uma espada divina. Saulo entendeu que o objetivo e fim da pregação não eram converter todas as pessoas, mas fundar igrejas vivas nas quais poderia encontrar os santos, aprender e ser edificados na fé.

Quando os membros da igreja em Antioquia ouviram o Espírito de Cristo dizendo para separar os dois líderes para a obra, o mais velho e o mais novo, eles não mostraram profunda tristeza em perdê-los. Em vez disso, eles oraram e jejuaram juntos. Todos eles sentiram que o Senhor estava agora a começar uma obra, grande, misteriosa e única.

Os dois que foram escolhidos e comissionados humildemente prostraram-se com as mãos dos outros membros da igreja sendo colocadas sobre eles. Parecia quase como se necessitassem de sabedoria, poder e compreensão sobre a plenitude e a habitação do Espírito Santo, juntamente com todos os seus dons. O Senhor afirmou esta humildade abençoando e guiando o ministério daqueles que Ele havia chamado para o serviço ao longo da vida de pregação do evangelho. Desde aquele tempo tem havido missionários deixando sua terra natal e parentes para divulgar o reino de Deus. Eles seguiram a orientação do Espírito de Cristo. Apesar de suas vidas simples, eles são compatíveis com o poder espiritual do alto.

ORAÇÃO: Ó Senhor vivo, nós não merecemos a Vossa misericórdia, mas desde que Você derramou seu sangue na cruz para nos purificar, consagramos nossos filhos e nós mesmos a seu serviço eterno. Não podemos servi-Lo através de nossas mentes e esforços próprios, mas apenas através de nosso enchimento do Espírito de Seu amor, humildemente trabalhando para a salvação do mundo. Nos impeça de agirmos por conta própria e abra nossos olhos para que possamos ver as pessoas que têm fome de Sua salvação.

PERGUNTA:

  1. Quem é o Espírito Santo? Como Ele dirigiu as orações em Antioquia?

www.Waters-of-Life.net

Page last modified on September 27, 2012, at 11:50 AM | powered by PmWiki (pmwiki-2.2.109)