Waters of Life

Biblical Studies in Multiple Languages

Search in "Portuguese":
Home -- Portuguese -- John - 081 (Jesus washes his disciples' feet)
This page in: -- Arabic -- Armenian -- Bengali -- Burmese -- Cebuano -- Chinese -- English -- Farsi? -- French -- Georgian -- Hausa -- Hindi -- Igbo -- Indonesian -- Javanese -- Kiswahili -- Kyrgyz -- Malayalam -- Peul -- PORTUGUESE -- Russian -- Serbian -- Somali -- Spanish? -- Tamil -- Telugu -- Thai -- Turkish -- Urdu -- Uyghur? -- Uzbek -- Vietnamese -- Yiddish -- Yoruba

Previous Lesson -- Next Lesson

JOÃO – A Luz Resplandece nas Trevas
Um Curso de Estudos Bíblicos no Evangelho de Cristo segundo João

PARTE 3 – A luz brilha no Círculo dos Apóstolos (João 11:55 – 17-26)
B – Eventos que se seguiram à Ceia do Senhor (João 13:1-38)

1. Jesus lava os pés dos discípulos (João 13:1-17)


JOÃO 13:1-5
1 Ora, antes da festa da páscoa, sabendo Jesus que já era chegada a sua hora de passar deste mundo para o Pai, como havia amado os seus, que estavam no mundo, amou-os até o fim. 2E, acabada a ceia, tendo o diabo posto no coração de Judas Iscariotes, filho de Simão, que o traísse, 3 Jesus, sabendo que o Pai tinha depositado nas suas mãos todas as coisas, e que havia saído de Deus e ia para Deus, 4 levantou-se da ceia, tirou as vestes, e, tomando uma toalha, cingiu-se. 5 Depois deitou água numa bacia, e começou a lavar os pés aos discípulos, e a enxugar-lhos com a toalha com que estava cingido.

A partir deste capítulo João se muda para uma nova etapa e assunto de seu evangelho. Antes disso, Jesus estava chamando o povo em geral, infelizmente, o texto, "A luz brilha nas trevas e as trevas não a compreende" se confirmou neles. Então, Jesus falhou? Não! Como as pessoas a grosso modo não o aceitam, o Senhor escolheu alguns que já estavam prontos e se arrepender e reuniu-os no círculo de discípulos. Nestes capítulos, veremos como Jesus se dirigiu aos eleitos, como o noivo conversando com sua noiva. Ele é deles como eles são seus. O amor de Deus torna-se o lema destes discursos. Este amor não é um mero sentimento egoísta, que implica uma chamada para o serviço. Na Bíblia, o amor envolve humildade para com os que nos servem. Nestes discursos, Jesus revela o melhor de seus atributos aos seus discípulos, explicando o seu amor na imagem de um servo, que simboliza a sua vida, morte e ressurreição. Jesus ensinou que ele iria morrer antes da próxima Páscoa. Ele estava indo para seu pai. É este o seu sentimento também? Ele estava no mundo, mas seus olhos sempre estiveram fixados em seu pai. Dele veio orientação, poder e alegria para suportar tais homens vis. Em união com Deus, ele também viu que Satanás sussurrou no coração de um discípulo com maus pensamentos. Este homem gradualmente se expôs ao orgulho, ganância e ódio. No entanto, Jesus não odiou o traidor, mas o amava com amor divino sem fim.

Jesus não estava simplesmente apoiando ao traidor, como se o evento fosse fatalista. Não eram Judas, Caifás, Herodes, Pilatos ou os líderes Judaicos e suas massas que decidiriam o que estava para vir, mas por causa de sua humilhação e submissão, o Pai submeteu a Jesus todos os espíritos e os seres humanos. Ele resolveu morrer como o Cordeiro de Deus, e nomeou o calendário de eventos. Durante as tempestades de eventos ele não perdeu de vista sua origem e finalidade. Jesus é o Senhor que faz o curso da história.

Cristo não deseja retornar ao Pai sozinho, mas queria chamar os seus discípulos na comunhão da boa vontade de Deus. Ele ensinou-lhes com um pé o sinal de humildade, representando diante de si o amor divino em termos práticos. Assim, ele se tornou um servo, ele buscou água e ajoelhou-se diante de seus discípulos para lhes lavar o pé e secá-los. Fez-se o menor de todos para que o mais simples entre eles possa aprender que Deus serve a humanidade. O Senhor não domina com frieza e indiferença, mas se ajoelha para purificá-los e transformá-los em face de sua gentileza.

Jesus é nosso exemplo sublime. Quando é que nos curvamos diante dele para adorá-lo? Quando é que vamos mudar nossas mentes e dobrar as costas que estão na vertical e inflexível?

Irmão, enquanto você não estiver quebrantado, não servindo os seus irmãos, amando seus inimigos ou lavando as feridas do ferido, você não é um Cristão verdadeiro. Você é um servo ou um mestre? Lembre-se Jesus é o servo de toda a humanidade, ele se inclina para atendê-lo. Você vai aceitar este serviço ou se julgará orgulhoso, que você é bom e não precisa do serviço de Deus?

JOÃO 13:6-11
6 Aproximou-se, pois, de Simão Pedro, que lhe disse: Senhor, tu lavas-me os pés a mim? 7 Respondeu Jesus, e disse-lhe: O que eu faço não o sabes tu agora, mas tu o saberás depois. 8 Disse-lhe Pedro: Nunca me lavarás os pés. Respondeu-lhe Jesus: Se eu te não lavar, não tens parte comigo. 9 Disse-lhe Simão Pedro: Senhor, não só os meus pés, mas também as mãos e a cabeça. 10 Disse-lhe Jesus: Aquele que está lavado não necessita de lavar senão os pés, pois no mais todo está limpo. Ora vós estais limpos, mas não todos. 11 Porque bem sabia ele quem o havia de trair; por isso disse: Nem todos estais limpos.

Os discípulos estavam envergonhados de seu Mestre lavar seus pés. Se soubessem o que ele faria depois de "Ceia do Senhor", teriam lavado os próprios pés espontaneamente. Seu Senhor não fez uma nova Aliança entre eles e Deus somente, mas também mostrou-lhes o conteúdo e o significado desta Aliança: É nada mais nada menos do que o serviço amoroso e prático.

Pedro foi o mais prepotente e zeloso dos discípulos. Ele não quis ser servido por Jesus, então ele tentou impedir a lavagem, não compreendendo as palavras de seu Senhor. Então Jesus explicou o mistério do lava-pés a todos os discípulos, como se estivesse se dirigindo a nós: "Sem limpeza, não tens parte no Reino, e sem o perdão dos pecados você não pode permanecer em mim". Lavar-se com seu sangue é algo constante, e a limpeza é contínua. Ele é o que os guarda por graça, ele nos mantém em comunhão com o Filho de Deus.

Com isso, Pedro viu a luz, olhando para suas mãos que haviam trabalhado mal, e pensando vagorosamente para tentar compreender o plano de Deus. Ele estava envergonhado e pediu para aumentar a limpeza para cobrir todo o seu ser. Jesus assegurou-lhe: "Quem vem a mim torna-se puro, completo com base em sua fé". Assim, aprendemos que não precisamos de uma limpeza especial ou santidade aumentada, porque o sangue de Jesus nos purifica de todo pecado. Não há santidade maior ou mais perfeita do que o perdão dos pecados pelo seu sangue. Como estamos diariamente a pé pisando em pó lá e cá, estamos constantemente a orar: "Perdoa nossas ofensas". Enquanto os filhos de Deus necessitam diariamente de lavar seus pés somente, os filhos deste mundo precisam de uma limpeza total.

Jesus olhou para seus discípulos e disse: "Vós estais limpos". Convidou-os a entrar em aliança com Deus. O Cordeiro morreu por seus discípulos, que lhes permitam permanecer na comunhão divina. Nenhum homem é limpo em si mesmo, mas o sangue de Cristo nos purifica de todo pecado.

Infelizmente, nem todos os seus seguidores eram santos, como também é o caso hoje. Alguns deles fazem uso dessa limpeza e se comportam como se eles acreditassem no sangue de Cristo, mas o Espírito Santo não habita neles. O espírito de Satanás incita ao ódio, inveja, orgulho e adultério. Assim, entre os piedosos você encontrará muitas vezes aqueles possuídos por espíritos dados ao amor ao dinheiro. Jesus deseja lavar os pés diariamente e livrá-lo de todos os tipos de pecados, e purificá-lo completamente para a comunhão com Deus. Examine-se, você é um servo ou um mestre?

ORAÇÃO: Senhor Jesus, agradecemos-lhe por esvaziar-se de glória e ter vindo até nós, os impuros. Você se inclinou para lavar os pés de seus discípulos, e você tem o coração livre de pecados. Nós te adoramos, suplicando-lhe para nos libertar de todos os pensamentos orgulhosos, para que possamos curvar-nos e tornar-nos seu servo. Ajuda-me a tornar-se o menor de todos e estar pronto para atendê-lo em minha igreja e família.

PERGUNTA:

  1. Qual o significado de Jesus lavando os pés dos seus dos discípulos?

JOÃO 13:12-17
12 Depois que lhes lavou os pés, e tomou as suas vestes, e se assentou outra vez à mesa, disse-lhes: Entendeis o que vos tenho feito? 13 Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, porque eu o sou. 14 Ora, se eu, Senhor e Mestre, vos lavei os pés, vós deveis também lavar os pés uns aos outros. 15 Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também. 16 Na verdade, na verdade vos digo que não é o servo maior do que o seu senhor, nem o enviado maior do que aquele que o enviou. 17 Se sabeis estas coisas, bem-aventurados sois se as fizerdes.

Jesus não começou seu discurso de despedida com meras palavras. Muitas vezes, tais palavras são de pouca utilidade se forem postas em ação. Ele perguntou a seus seguidores se entenderam o tom de seu trabalho simbólico, "Abra os olhos e veja que sou com você, como um dos seus. Eu não estou acima de vocês, sentado em um trono para vocês se ajoelharem diante de mim como escravos. Não! Despi-me de glória e tornei-me um de vocês. Mais do que isso, deixei o meu lugar como professor e mestre para se tornar um servo. Já agora compreendem a direção que o amor divino tem que tomar? O homem orgulhoso vangloria-se, quem ama se humilha e tudo suporta, nega a si mesmo e serve de todas as formas".

"Vocês desejam ser meus discípulos, como eu sou o seu exemplo, eu não apenas falo, mas pratico o que ensino. Olhem para mim. Eu sou um servo. Se quiserem me seguir, curvam-se e sirvam aos outros. Aquele que entre vós quiser ser o primeiro, é o mais fraco, mas o que serve aos outros com calma e permanece humilde é realmente grande".

"Não pensem que a Igreja é uma coleção de santos perfeitos. Eles estão todos no processo de transformação. Tenho purificado todos eles e eles são santos, em princípio. Mas cada membro precisa de paciência e tempo para o crescimento espiritual. Todo mundo erra e tropeça. Aqui está o meu mandamento: perdoais os erros e pecados uns aos outros. Não julgueis uns aos outros, mas ajudem os outros a não lavar a cabeça, mas seus pés. Ninguém deve dominar sobre os outros, vocês são irmãos. Se você agiu assim, você vai perceber que eu já deixei claro: Eu não vim para ser servido, mas para servir. A minha vida é o sacrifício concedido a todos".

"Eu vos envio ao mundo como apóstolos do amor. O enviado é tão grande quanto aquele que envia. Seu primeiro dever é tornar-se servos como eu. Se você perceber isso, você terá entendido o lema do cristianismo".

"Meu segundo princípio: Se você sabe disso, bem-aventurados sois. Eu não falei de amor como meras palavras. Eu o pratiquei". Serviço é trabalho e sacrifício, não palavras, orações e sentimentos apenas. O impulso pelo serviço é da natureza de um crente. A partir deste núcleo procedem várias obras de amor. Aquele que não serve não é um crente. Você não foi salvo por boas obras, é o meu sangue que te salva. Mas se você se inclinar para baixo para os miseráveis, os andarilhos, e servi-los constantemente, você será preenchido com a alegria de Deus.

Irmão, você deseja se tornar um mestre e professor? Olhe para Jesus. Ele é o Mestre por excelência. Ele está diante de você como um servo. Você quer praticar seus ensinamentos? Comece a partir de hoje e sirva a todos. Peça em oração, onde, como e com quem ele deseja que você sirva. Se você sabe disso, bem-aventurados sois se assim o fizer.

www.Waters-of-Life.net

Page last modified on April 10, 2012, at 11:21 AM | powered by PmWiki (pmwiki-2.2.109)