Waters of Life

Biblical Studies in Multiple Languages

Search in "Portuguese":
Home -- Portuguese -- Acts - 060 (King Agrippa´s Persecution of the Churches)
This page in: -- Arabic -- Armenian -- Azeri -- Bulgarian -- Cebuano -- Chinese -- English -- French -- Georgian -- Indonesian -- PORTUGUESE -- Russian -- Serbian -- Tamil -- Telugu -- Turkish -- Urdu? -- Uzbek -- Yiddish

Previous Lesson -- Next Lesson

ATOS - Na procissão triunfal de Cristo
Estudos nos Atos dos Apóstolos
PARTE 1 - A fundação da Igreja de Jesus Cristo em Jerusalém, Judéia, Samaria e Síria – Sob o amparo do Apóstolo Pedro, guiado pelo Espírito Santo (Atos 1 - 12)
B - A extensão do Evangelho da Salvação a Samaria e Síria, e o início das conversões dos Gentios (Atos 8 - 12)

11. A perseguição do Rei Ágripa à igrejas em Jerusalém (Atos 12:1-6)


ATOS 12:1-6
1 E por aquele mesmo tempo o rei Herodes estendeu as mãos sobre alguns da igreja, para os maltratar; 2 e matou à espada Tiago, irmão de João. 3 E, vendo que isso agradara aos judeus, continuou, mandando prender também a Pedro. E eram os dias dos ázimos. 4 E, havendo-o prendido, o encerrou na prisão, entregando-o a quatro quatros de soldados, para que o guardassem, querendo apresentá-lo ao povo depois da páscoa. 5 Pedro, pois, era guardado na prisão; mas a igreja fazia contínua oração por ele a Deus. 6 E quando Herodes estava para o fazer comparecer, nessa mesma noite estava Pedro dormindo entre dois soldados, ligado com duas cadeias, e os guardas diante da porta guardavam a prisão.

A situação mudou consideravelmente em Jerusalém e na Palestina, quando, em 41 d.C., Cláudio chegou a ser César, em Roma. Agripa, neto de Herodes, o Grande, tinha mediado entre ele e os altos Alto Conselho Romano para entregar as rédeas do governo de Cláudio, o comandante do exército. Como recompensa por seu serviço, o César havia concedido seu amigo, Agripa, o domínio sobre toda a Palestina. Nesta ocasião, a autoridade do governador romano sobre os judeus terminou, e o domínio de um ditador oriental começou. Assim ordem romana e direito foram substituídas pela desordem, da violência e do despotismo de Agripa, o tirano.

Este novo rei tentou primeiro a ganhar a confiança do Conselho Superior judaica, com seus representantes setenta. Ele aceitou o conselho de um número deles, prendendo alguns dos anciãos cristãos e apóstolos. Ele aprisionou-os e esperava ganhar, através de sua hipocrisia e lábia, o apoio público do povo judeu. Quando ele observou que as multidões não se opôs ao seu comportamento, com alguns até aplaudem, ele colocou Tiago, filho de Zebedeu, à morte. Por ter sua cabeça cortada com a espada que ele estava imitando os romanos em seus julgamentos. Ele não deu Tiago uma audiência pública, mas agiu como lhe aprouvesse, segundo seus próprios desejos.

Tiago tinha sido um seguidor de João Batista. Deixou-o que, vestido de pêlos de camelo, foi chamado para o arrependimento, e seguiram a Jesus para a alegria do casamento em Caná. Depois que viu os milagres de seu Senhor, ele passou a acreditar no reino por vir. Logo depois que sua mãe pediu a Jesus que conceda que seus dois filhos, Tiago e João, pode sentar-se, um à sua direita e o outro à sua esquerda, como governantes em Seu reino. Jesus perguntou estes dois jovens se eles foram capazes de beber o cálice da ira de Deus que ele estava prestes a beber. Quando, em sua ignorância, eles disseram "sim", ele confirmou a eles que seria de fato beber da taça amarga que. Mas para se sentar à sua direita e à sua esquerda não era a Sua dar, mas foi para aqueles para quem o Pai havia preparado.

Tiago morreu sendo oprimidos, tornando-se um mártir para Jesus. Ele não morreu por causa de quem ele era, mas por ser um apóstolo, e por causa da indignação dos judeus contra o seu espírito evangelístico. Esta segunda onda de perseguição contra os cristãos começaram com a efusão do sangue inocente. Esta aflição não foi provocado por uma pessoa cheia de zelo pela lei, como Saulo tinha sido, mas por um rei indiferente que as pessoas lisonjeado.

Como o Senhor dirige Seu reino por vezes varia. No início houve reavivamento espiritual e um amor para a Igreja pelo povo em Jerusalém, na medida em que o Conselho Judeu de alta não poderia matar os apóstolos. No entanto, pelo tempo de Estevão o ódio havia aumentado, pois começou a aparecer que os cristãos estavam se afastando de pensamento judaico e abandonando o Antigo Testamento. Havia provavelmente relatórios em Jerusalém, por meio de rumor, admitindo que os cristãos eram gentios em aliança com Deus, sem circuncisão. Este foi considerado pelos judeus como uma blasfêmia abominável.

As pessoas estavam felizes com o sangue derramado pelas mãos deste rei perverso. Conseqüentemente, o tirano criou coragem com a intenção de cortar a cabeça deste movimento cristão. Ele aprisionou Pedro, o líder entre os apóstolos. Ele estava disposto a começar o seu julgamento, durante o Festival dos pães ázimos, para que ele pudesse condená-lo perante todo o povo, e depois achar ocasião para matá-lo. Ele teria, então, o direito e o impulso para consumir todos os cristãos. O rei deu ordens para que Pedro deve ser intensamente vigiado por quatro esquadrões, cada um composto por quatro soldados, um para cada relógio de três horas da noite. O Conselho Superior judaica lembrou-lhe de como um anjo de Deus já havia libertado os doze apóstolos da prisão. Este rei, entretanto, estava indo para superar todos os anjos e os espíritos com sua astúcia e opressão. Então, ele teve Pedro obrigado a dois soldados. Sua mão esquerda estava acorrentado à mão direita de um dos soldados, e sua mão direita à mão esquerda do outro, que ele não pode ser deixado em paz um único segundo do dia.

A igreja sabia que a prisão de Pedro foi o desenvolvimento decisivo para a existência ou não existência da igreja cristã na Palestina. Eles se reuniram para o dia contínuas orações e noite. A armadura do cristão não é a espada, o suborno, ou o truque, mas a oração sozinho. O braço do Senhor é a proteção do crente, poder e vitória. Oração insistente não é uma fé, entusiasmo rebelde, mas uma relação de confiança médio em determinada resposta de Deus para cada palavra. Não há poder na terra mais forte do que as orações conjuntas de cristãos.

Embora Pedro sabia que a morte o esperava, ele dormia pacificamente. Ele viveu em Cristo, e sabia que sua vida estava escondida com Cristo em Deus. Ele tinha ressuscitado dos mortos, quando ele recebeu o Espírito Santo. Ele viveu fielmente, permanecer em Cristo. O amor de seu Senhor concedeu-lhe a paz, mesmo no momento da morte.

ORAÇÃO: Nós Te agradecemos, nosso Senhor vivo, por você ter nos concedido a vida eterna e limpado nossas consciências para que possamos ser seguros, mesmo na hora da morte. Livra-nos de todo mal, guia-nos de acordo com a Tua vontade, e abençoe nossos inimigos, que eles, também, possam ser mudados e regenerados, se arrependam e recebam a vida eterna.

PERGUNTA:

  1. Por que o rei Ágripa perseguiu os Cristãos? Qual era o seu propósito com esta perseguição?

www.Waters-of-Life.net

Page last modified on September 27, 2012, at 11:49 AM | powered by PmWiki (pmwiki-2.2.109)