Waters of Life

Biblical Studies in Multiple Languages

Search in "Portuguese":
Home -- Portuguese -- John - 070 (Jesus across the Jordan)
This page in: -- Arabic -- Armenian -- Bengali -- Burmese -- Cebuano -- Chinese -- English -- Farsi? -- French -- Georgian -- Hausa -- Hindi -- Igbo -- Indonesian -- Javanese -- Kiswahili -- Kyrgyz -- Malayalam -- Peul -- PORTUGUESE -- Russian -- Serbian -- Somali -- Spanish? -- Tamil -- Telugu -- Thai -- Turkish -- Urdu -- Uyghur? -- Uzbek -- Vietnamese -- Yiddish -- Yoruba

Previous Lesson -- Next Lesson

JOÃO – A Luz Resplandece nas Trevas
Um Curso de Estudos Bíblicos no Evangelho de Cristo segundo João

PARTE 2 – A Luz Resplandece nas Trevas (João 5:1 – 11:54)
C – A última viagem de Jesus a Jerusalém (João 7:1 – 11:54) A separação entre as Trevas e a Luz.
4. A ressurreição de Lazaro e seu resultado (João 10:40 - 11:54)

a) Jesus além do Jordão (João 10:40 – 11:16)


JOAO 10:40-42
40 E retirou-se outra vez para além do Jordão, para o lugar onde João tinha primeiramente batizado; e ali ficou. 41 E muitos iam ter com ele, e diziam: Na verdade João não fez sinal algum, mas tudo quanto João disse deste era verdade. 42 E muitos ali creram nele.

O conflito entre Jesus e os fariseus eclodiu, eles incitaram líderes do povo depois de ter curado o coxo de Betesda (Capítulo 5). No final de sua terceira visita a Jerusalém, este conflito desenvolveu um clímax. A luz resplandece nas trevas, mas as trevas não a superá-lo. Em todas as vezes que Jesus foi exposto ao risco de morte. Ele entrou no templo e outra vez, guiando seus discípulos para a maturidade no conhecimento e na confiança, enquanto seus adversários seguiam em seu ódio por ele.

Após a Festa da Dedicação, Jesus partiu de Jerusalém e foi para uma região além do Jordão, onde o Conselho Superior não tem jurisdição. Aqui João Batista havia pregado antes, fora da autoridade judaica, mas sob um dos reis de Herodes. O Batista era conhecido lá, seu testemunho de Jesus evidente.

Aqueles que haviam acreditado por causa de João Batista permaneceram em sua fé. Seu mestre havia sido decapitado. Quando Jesus chegou, eles correram para ele, sabendo de sua humildade, majestade e poder. Jesus ofereceu-lhes exemplos de seus sinais, fielmente pregando sobre Deus e o homem. Assim, muitos abriram seus corações ao Evangelho, segurando a sua fé na missão profética de João Batista, mas o Batista não tinha oferecido milagres para justificar esse papel. Mas assim que Jesus veio para eles, eles confiaram nele como Senhor e Salvador.

JOAO 11:1-3
1 Estava, porém, enfermo um certo Lázaro, de betânia, aldeia de Maria e de sua irmã Marta. 2 E Maria era aquela que tinha ungido o Senhor com ungüento, e lhe tinha enxugado os pés com os seus cabelos, cujo irmão Lázaro estava enfermo. 3 Mandaram-lhe, pois, suas irmãs dizer: Senhor, eis que está enfermo aquele que tu amas.

Durante a pregação de Cristo, na região da Jordânia, um homem chamado Lázaro caiu doente. Ele pertencia a uma aldeia, no Monte das Oliveiras. Jesus tinha sido muitas vezes um hóspede em sua casa. Falar de Cristo com Marta, irmã de Lázaro, é famoso. João não conta os eventos, uma vez que são encontradas em outro evangelho. Ele, no entanto, dizem-nos de Maria, que derramou um frasco de perfume sobre os pés de Jesus. O evangelista menciona esta mulher faminta por palavras do Senhor. Depois que ela ungiu os pés com óleo, ela enxugou-os com seus cabelos (Jo 12,1-8). Ela demonstrou sua humildade, fé e amor para o Filho de Deus.

A notícia da doença de Lázaro, Jesus fez triste. No entanto, a fé das irmãs arrastava-o para se juntar a eles. Elas não pediram a Jesus para entrar rapidamente para curar seu amigo, mas simplesmente enviou notícias sobre sua condição, confiante de que ele curaria a distância. Eles sentiram a certeza que a afeição de Jesus para Lázaro que movê-lo para agir. "Lázaro” significa "Deus ajudou". Portanto, este nome se tornou um lema para o último milagre mencionado em João.

JOAO 11:4-10
4 E Jesus, ouvindo isto, disse: Esta enfermidade não é para morte, mas para glória de Deus, para que o Filho de Deus seja glorificado por ela. 5 Ora, Jesus amava a Marta, e a sua irmã, e a Lázaro. 6 Ouvindo, pois, que estava enfermo, ficou ainda dois dias no lugar onde estava. 7 Depois disto, disse aos seus discípulos: Vamos outra vez para a Judéia. 8 Disseram-lhe os discípulos: Rabi, ainda agora os judeus procuravam apedrejar-te, e tornas para lá? 9 Jesus respondeu: Não há doze horas no dia? Se alguém andar de dia, não tropeça, porque vê a luz deste mundo; 10 mas, se andar de noite, tropeça, porque nele não há luz.

Quando a notícia chegou a Jesus, ele estava consciente de sua luta com as forças da morte. Ele havia previsto que o paciente não seria uma presa da morte, mas nele a glória de Deus iria brilhar. Jesus sabia que através do Espírito Santo que ele tinha a fazer antes que seus amigos falecimento, sua autoridade parece levantando um homem morto não muito longe das portas de Jerusalém. Assim que o povo de Jerusalém não teria nenhum pretexto para a incredulidade.

A glória de Deus e a glorificação de Cristo são um. Glória ampliada, porque ele enfrentou a morte e venceu. Humanidade agoniza em grande com a perspectiva de morte em seu ser. Morte leva diretamente à extinção, eles se sentem. Jesus sabia que seu Pai, e não estava obcecado pela morte e seu resultado, mas percebeu que a causa da morte. Ele pode plantar a vida em um mundo doente.

Jesus não ir diretamente para Betânia, ele adiou por dois dias. Ele deixou a morte engolir seu amigo. Os discípulos ficaram consternados ao saber que ele ia voltar para a Judéia, uma vez que haviam testemunhado a tentativa de apedrejar. Os discípulos não sentiam por Lázaro nem querem testemunhar a glória de Deus, mas temia pela própria vida.

Nesse ponto, Jesus usou uma ilustração que se viaja com segurança durante o dia, mas à noite ele pode cair em obstáculos e ravinas. À medida que a hora da crucificação estava próxima, o horário de verão ainda não terminou. Eles tinham de ir a Jerusalém com calma, segura nas mãos de Deus.

Quem não confia na providência de Deus, vai viver na escuridão, como inimigos de Jesus, porque a luz da fé não se levantou sobre eles. Assim, Jesus perguntou a seus discípulos a confiar nele e no seu líder completamente. Caso contrário, a incredulidade vai chamá-los na escuridão. Esta é a nossa consolação na hora mais escura que nada nos irá acontecer sem a vontade do nosso Senhor. Nele está a nossa confiança.

ORAÇAO: Senhor Jesus, obrigado por ser o Mestre da vida, em sua luz que vemos o caminho. Você nos levar ao caminho reto, mesmo quando os seus inimigos desejam a nossa ruína. Ajude-nos, para não atrasar, mas estar pronto para a dor e a morte por sua causa. Para que a sua conta de nós pode ser glorificado pela nossa fé.

Pergunta:

  1. Por que Jesus fala da glória de Deus, mesmo que Lázaro morreu?

www.Waters-of-Life.net

Page last modified on April 10, 2012, at 11:10 AM | powered by PmWiki (pmwiki-2.2.109)