Waters of Life

Biblical Studies in Multiple Languages

Search in "Portuguese":
Home -- Portuguese -- John - 051 (Disparate views on Jesus among the people and the high council)
This page in: -- Arabic -- Armenian -- Bengali -- Burmese -- Cebuano -- Chinese -- English -- Farsi? -- French -- Georgian -- Hausa -- Hindi -- Igbo -- Indonesian -- Javanese -- Kiswahili -- Kyrgyz -- Malayalam -- Peul -- PORTUGUESE -- Russian -- Serbian -- Somali -- Spanish? -- Tamil -- Telugu -- Thai -- Turkish -- Urdu -- Uyghur? -- Uzbek -- Vietnamese -- Yiddish -- Yoruba

Previous Lesson -- Next Lesson

JOÃO – A Luz Resplandece nas Trevas
Um Curso de Estudos Bíblicos no Evangelho de Cristo segundo João

PARTE 2 – A Luz Resplandece nas Trevas (João 5:1 – 11:54)
C – A última viagem de Jesus a Jerusalém (João 7:1 – 11:54) A separação entre as Trevas e a Luz.
1. As palavras de Jesus na festa dos tabernáculos (João 7:1 – 8:59)

b) Visões diferentes sobre Jesus entre o povo e o alto concílio (João 7:14-63)


JOÃO 7:31-32
31 E muitos da multidão creram nele, e diziam: Quando o Cristo vier, fará ainda mais sinais do que os que este tem feito? 32 Os fariseus ouviram que a multidão murmurava dele estas coisas; e os fariseus e os principais dos sacerdotes mandaram servidores para o prenderem.

Apesar das condições tensas em Jerusalém, muitos começaram a acreditar na força da obra de Jesus. Eles disseram: "Talvez ele seja o Messias, pois ele já apresentou sinais poderosos, de modo que os menos extremos começaram a acreditar nele. Vemos que Jesus tem seus seguidores até mesmo na Capital".

Quando os fariseus perceberam, graças a seus espiões, que o avivamento havia começado entre o povo, e que seu movimento foi criando raízes em Jerusalém, eles se atribularam e começaram a cooperar com os seus opositores, os sacerdotes e saduceus. Assim proibiram que Jesus entrasse no templo. Os sumos sacerdotes concordaram a este respeito e começaram a trabalhar com os fariseus para prender Jesus.

Os anjos do Senhor estiveram em torno do divino mestre no pátio do templo e impediram os funcionários de executar as ordens dos seus superiores. Jesus viu esses servos se aproximando, mas não fugiu, e ele manifestou a sua glória, que o evangelista registrou para nós como uma previsão do plano salvífico de Deus.

JOÃO 7:33-36
33 Disse-lhes, pois, Jesus: Ainda um pouco de tempo estou convosco, e depois vou para aquele que me enviou. 34 Vós me buscareis, e não me achareis; e onde eu estou, vós não podeis vir. 35 Disseram, pois, os judeus uns para os outros: Para onde irá este, que o não acharemos? Irá porventura para os dispersos entre os gregos, e ensinará os gregos? 36 Que palavra é esta que disse: Buscar-me-eis, e não me achareis; e: Aonde eu estou vós não podeis ir?

Jesus anunciou aos seus inimigos que ele habitaria por pouco tempo entre seus semelhantes. Ele já sabia que iria morrer como o Cordeiro de Deus. Ao mesmo tempo, ele conhecia o timing da sua ressurreição, sua ascensão e retorno para o Pai. Jesus ansiava por seu Pai que O enviou para nos redimir. Por amor de nós, ele permaneceu no mundo longe de sua casa celestial.

Jesus previu como seus seguidores ficariam espantado com a sua ressurreição e ascensão. Eles voltariam tristes porque não tinham os corpos espirituais para subir com ele para o céu. Ele também sabia que seus inimigos procurariam por seu corpo “perdido” desapareceria da tumba selada. Ai daqueles que não amam o Salvador! Eles são incapazes de participar na sua glória ou entrar no céu. Seus pecados vão separá-los de Deus. A incredulidade mantém-los fora do reino da graça.

Os Judeus não conseguiram compreender as palavras de Jesus porque pensavam em formas humanas, achando que ele queria fugir para sinagogas Judaicas em cidades Gregas ao redor do Mediterrâneo. Sua finalidade seria a de conquistar seguidores dentre aqueles não familiarizados com as Escrituras Hebraicas. Alguns zombaram, dizendo: “Ele pode estar interessado em se tornar um orador e apresentar suas opiniões perante os filósofos Gregos e levá-los ao Deus vivo”.

Quando João registrou os discursos de Jesus e esses eventos, ele estava vivendo em Éfeso, entre os Gregos. As boas novas da salvação chegaram à dispersão Judaica de lá e também muitos Gregos acreditavam em Cristo. O evangelista viu nas palavras de Jesus e do escárnio dos Judeus uma proclamação de que Jesus é o grande mestre entre os Gregos. Ele não ofereceu filosofias vazias que levam ao pessimismo. Ele é o doador de vida.

PERGUNTA:

  1. O que Jesus quis prever quanto ao seu futuro?

www.Waters-of-Life.net

Page last modified on April 10, 2012, at 10:56 AM | powered by PmWiki (pmwiki-2.2.109)