Waters of Life

Biblical Studies in Multiple Languages

Search in "Portuguese":
Home -- Portuguese -- Acts - 081 (Founding of the Church at Philippi)
This page in: -- Arabic -- Armenian -- Azeri -- Bulgarian -- Cebuano -- Chinese -- English -- French -- Georgian -- Indonesian -- PORTUGUESE -- Russian -- Serbian -- Tamil -- Telugu -- Turkish -- Urdu? -- Uzbek -- Yiddish

Previous Lesson -- Next Lesson

ATOS - Na procissão triunfal de Cristo
Estudos nos Atos dos Apóstolos
PARTE 2 - Registros sobre a pregação entro os Gentios e a fundação das igrejas de Antioquia a Roma – Através do ministério do Apóstolo Paulo, comissionado pelo Espírito Santo (Atos 13 - 28)
C - A Segunda Viagem Missionária (Atos 15:36 - 18:22)

4. A fundação da igreja em Filipos (Atos 16:11-34)


ATOS 16:19-24
19 E, vendo seus senhores que a esperança do seu lucro estava perdida, prenderam Paulo e Silas, e os levaram à praça, à presença dos magistrados. 20 E, apresentando-os aos magistrados, disseram: Estes homens, sendo judeus, perturbaram a nossa cidade, 21 e nos expõem costumes que não nos é lícito receber nem praticar, visto que somos romanos. 22 E a multidão se levantou unida contra eles, e os magistrados, rasgando-lhes as vestes, mandaram açoitá-los com varas. 23 E, havendo-lhes dado muitos açoites, os lançaram na prisão, mandando ao carcereiro que os guardasse com segurança. 24 O qual, tendo recebido tal ordem, os lançou no cárcere interior, e lhes segurou os pés no tronco.

Muitas pessoas ricas consideravam uma escrava como se fosse uma vaca de leite. Eles não se preocupam com o sofrimento psicológico da menina endemoninhado, pois estavam acumulando muito dinheiro através da mentira do diabo que trabalha nela. Eles ficaram com raiva quando sua fonte de torpe ganância foi subitamente interrompida. Eles tomaram a preensão de Paulo e Silas e os arrastaram violentamente perante as autoridades, onde os acusou de causar motim na cidade. É claro que eles não disseram como os apóstolos libertaram a menina possuída de seu pesadelo. Em vez disso, eles trouxeram acusações falsas contra eles, alegando que eles eram judeus rebeldes que haviam introduzido costumes indesejáveis ​​não adequados aos Romanos honestos. Eles despertaram o zelo dos militares aposentados que vivem em Filipos, pois os donos da cartomante eram conhecidos e respeitados. Então, as multidões começaram a rugir clamorosamente movendo-se em direção a tribunal os magistrados. Quando os magistrados viram que a opinião pública era decididamente contra os judeus, um deles fez um sinal a seus lictores, cujo trabalho foi averiguar que os infratores fossem punidos. Eles atacaram os apóstolos, rasgaram as suas vestes, retiraram-lhes suas roupas e os agrediram severa e violentamente. Eles zombavam deles diante da multidão.

Para poder perguntar mais tarde mais plenamente as atividades destes dois encrenqueiros, eles foram jogados em uma estreita, suja cela interior da prisão com suas costas sangrando e seus corpos exaustos e sofrendo dor. Além disso, prenderam seus pés no tronco, pesados ​​blocos de madeira e os algemaram com cadeias pesadas para impedi-los de fugir. O que entrou na mente desses pobres prisioneiros? Será que eles amaldiçoaram os romanos? Será que eles sentiram tristeza e arrependimento por libertar a cartomante de seu demônio? Eles estavam com medo de um ataque contra a igreja recém crescente? Não, eles não tiveram nenhum desses pensamentos, pois os presos estavam falando com seu Senhor em oração. Abençoaram seus perseguidores e com ações de graças reconheceram que haviam participado da cruz de Cristo.

ATOS 16:25-28
25 E, perto da meia-noite, Paulo e Silas oravam e cantavam hinos a Deus, e os outros presos os escutavam. 26 E de repente sobreveio um tão grande terremoto, que os alicerces do cárcere se moveram, e logo se abriram todas as portas, e foram soltas as prisões de todos. 27 E, acordando o carcereiro, e vendo abertas as portas da prisão, tirou a espada, e quis matar-se, cuidando que os presos já tinham fugido. 28 Mas Paulo clamou com grande voz, dizendo: Não te faças nenhum mal, que todos aqui estamos.

Os chicotes marcaram as costas, fazendo longos sulcos. Os apóstolos, entretanto, não descansaram em um hospital, onde teriam sido tratados por enfermeiras gentis. Em vez disso, foram presos e obrigados a sentar-se na cela suja, onde foram cercados pela escuridão. Eles não amaldiçoaram nem choraram, mas começaram a cantar hinos juntos. Eles não ficaram satisfeitos em orar em voz baixa porque seus corações estavam cheios de gratidão e louvor. Alegraram-se o triunfo de Cristo na Macedônia após a proibição pelo Espírito Santo para continuar na Ásia Menor.

Na manhã do triunfo de Cristo tinha começado brilhando na Europa. Escuridão tinha começado a levantar, o nome daquele que tinha sido ressuscitado dentre os mortos havia sido proclamada. Não há qualquer obstáculo grande demais para evitar a quebra e divulgação através do reino de Deus na Terra. Os dois apóstolos sofrimento cantaram hinos em voz alta para que os outros prisioneiros os escutavam. Era meia-noite quando os cânticos de louvor começaram a alcançar o céu. Este evento nos Atos dos Apóstolos tem sido uma fonte de conforto para muitos que foram torturados e perseguidos na história da igreja. Com cânticos de louvor ascendente à meia-noite, de repente Deus respondeu - não através de um anjo, ou com palavras de revelação, mas através de um violento terremoto. Pode ter parecido a eles em primeiro lugar que o diabo estava querendo adicionar ao seu sofrimento. Pedras e poeira começaram a cair sobre eles a partir do teto. No entanto, imediatamente todas as portas da prisão foram abertas e suas cadeias atormentando caiu. Apesar deste evento, Paulo não usá-lo como uma ocasião para fugir. Outros prisioneiros foram profundamente impressionados e admirados pelo canto dos apóstolos. Após a resposta de Deus a ele com o terremoto não ousavam mover-se. Todos podem ter começado temendo julgamento de Deus sobre os seus pecados.

O guarda da prisão saltou de sua cama. Ao ver as portas da prisão aberta, ele supôs que todos os presos tivessem fugido. Ele ficou com medo da vergonha de seus escapar sua mão, e do que o esperava em ensaios, o sofrimento doloroso, para ele a morte, e da escravidão para a sua família. Oprimido com tais medos e imaginações, ele puxou a espada, com a intenção de cometer suicídio.

Quando Paulo viu que o guarda da prisão estava prestes a se matar com a espada, gritou: "Pare! Não se mate! Não tenha medo! Ninguém escapou. Todos os presos estão aqui! "O amor na voz de Paulo e do conforto nestas palavras gentis eram contrárias aos insultos, maldições e gritos este oficial estava acostumado a ouvir de prisioneiros. Se os prisioneiros receberam uma chance de escapar eles certamente levá-lo, após a primeira vingar-se sobre os seus guardas. Como é estranha e diferente esta cena! As portas da prisão estão abertas, mas os presos não estão atacando como bestas. Um deles, Paulo, está solicitando-lhe, com palavras bondosas e gentis, para não prejudicar a si mesmo. Estas palavras chocaram o carcereiro, superando toda sua imaginação. Ele ficou muito surpreso ao ver seu inimigo amá-lo, e que na verdade tinha o impedia de se matar. Seus olhos começaram a abrir larga. Seus pensamentos flutuavam na sua cabeça como se estivesse em um sonho profundo.

ORAÇÃO: Ó Senhor vivo, vamos ouvir Sua voz suave quando cairmos em desespero e confusão. Ensina-nos a ouvir Suas palavras de amor quando a nossa esperança desaparecer. Nos atraia para seu conforto para que possamos viver e nunca morrer.

PERGUNTA:

  1. Por que os prisioneiros torturados cantavam hinos à meia-noite?

www.Waters-of-Life.net

Page last modified on September 27, 2012, at 11:58 AM | powered by PmWiki (pmwiki-2.2.109)